Publicado em

Uma família para Franzinha

Impossível não admitir, passei os últimos dias refletindo sobre uma necessidade particular, analisando suas causas e prováveis resoluções.
Talvez passasse despercebido a mim a minha ENORME necessidade de constituir uma família, dessas mãe, pai, filhos, cachorros,saguis e bichos em geral; mas finalmente percebi que o fato de ter sido primogênita de uma mãe de 17 anos e pai 18 anos abalou profundamente meu inconsciente, desejando editar minha própria infância.
Não é impossível perceber que este jovem e imaturo casal não consolidou nenhum vínculo emocional suficientemente forte para motivá-los na criação dos filhos ou na contracepção. Isso repete-se a 30 anos numa frequência assustadora, assim, tenho certeza que muitas pessoas entendam perfeitamente  o assunto, pois vivem na prática muitas seqüelas da falta de responsabilidade juvenil. No entanto, como pedir responsabilidade para dois jovens em tenra idade? Vivendo sua primeira e talvez única paixão adolescente.
A convivência não foi fácil para eles, ainda mais com a minha chegada e em seguida, a dos meus irmãos, o que sei é que vivi todos os momentos da frustração deles, até o dia que minha mãe voltou a casa dos pais, com seus três novos amiguinhos! Não gosto de falar que meu pai abandonou os filhos, acredito que a melhor expressão seja: esqueceu os filhos. Pior época para esquecer não pode existir, crescer sem uma vivência familiar com a presença do pai (nem que não seja na mesma casa, quero dizer a lembrança ou o interesse) deixa seqüelas de graus variados. Uma das minhas é desejar uma presença masculina em minha vida, não substituindo meu pai, este eu substituí pelo meu avô, que apesar de ter muitos defeitos foi o único homem que admirei até hoje. Talvez seja essa uma das respostas, não é que queira uma figura masculina e pronto, não, a necessidade é de uma figura masculina para admirar, claro, além disso, para suprir minhas faltas infantis também presume-se que dará muito, muito, muito carinho e atenção, necessidades básicas do ser humano e que de certa forma sinto falta.
Engraçado, apesar de saber que a maioria da famílias desestrutura-se com o tempo ainda mantenho a ilusão que sentirei alguma segurança tendo minha família. Alguns perguntarão, e sua filha? Ela também quer família, apesar de manter contato com o pai, sente falta de uma figura masculina para admirar e identificar-se.
As coisas são mais simples que parecem, ao observar a saga de minha mãe em busca de uma companhia masculina encontrei minha própria saga.
Mas não termina por aqui, há muito mais a descobrir.