Publicado em

Devagar e sempre

Tenho falado com muitas pessoas nos últimos tempos e percebo que muitos estão sofrendo, dentro da própria vida que criaram e não conseguem deixar, apesar dos pesares.
Surpreende-me como pessoas adultas (teoricamente, pois idade denota pouco neste caso) reclamando dos pais! Sim, dos pais que os colocaram na vida! Teimo em defender os pais, talvez por eu já ser um deles, não há do que reclamar, mas os filhos reclamam que os pais NUNCA estão satisfeitos, pergunto: quando os filhos estão?
Entendo como uma questão de logística, considero que os "reclamões", e aqui me refiro a ambos (pais e filhos), seduzam-se pela facilidade do ato de reclamar. Percebem? É simples reclamar, reclamar, reclamar; eles são isso, aquilo e ainda por cima não correspondem a TODAS minhas expectativas!  E mamar na vaca vocês não querem também???
Talvez seja pedir demais  todos descerem dos degrais da ignorância (acredito que os mais ignorantes são os que se colocam nos degrais acima da normalidade!) e conversarem como seres interdependentes. Sem pais não haveria filhos e, logicamente, sem filhos não haveria pais. Sugiro que cada um guarde sua culpa para si, tentando demonstrar a si mesmo que só você pode ser o que você quer ser.
Seria mentir se falasse que não "odiei" minha mãe e pai grande parte da vida, sabia que eles tinham uma parcela de culpa dos rumos que minha vida tomou, mas a responsabilidade sempre foi minha; para sanar essa "culpa" só se eu não tivesse nascido, puxa, o castigo de não existir é absurdo, que seja do jeito que foi, se eu quero mudar algo é necessário começar por mim.
A "culpa dos pais" está em amar os filhos, ás vezes tentando tapar os "buracos" com coisas e não com atitudes, o que torna o relacionamento um círculo vicioso.
A "culpa dos filhos" é não ser clara o bastante em seus pedidos, uma boa discussão nunca termina, hoje em dia ninguém tem bola de cristal, mas o prazer fugaz do dinheiro e das poses deixa os filhos entorpecidos. E a procura por prazeres fugazes começa! 
Não há fórmula mágica. Infelizmente alguns pais despreparados "entornam o caldo" cometendo assassinatos silenciosos, que podem ser tão devastadores como literalmente jogar o filho fora pela janela do apartamento!
A dor mais incômoda é a crônica.