Publicado em

A língua, o paladar e o sexo

A língua é o principal órgão para o paladar, apesar de não parecer ela é um músculo e os alimentos são apenas doces, salgados, azedos ou amargos, de acordo com sua análise.

O sabor é produzido pelo cérebro que reúne informações gustativas da língua com as informações olfativas do nariz. É por isso que, quando estamos resfriados, a comida nos parece sem sabor, embora o seu paladar continue presente.

As papilas gustativas se espalham em concentrações diferentes por toda a língua, e estão presentes, mesmo que em número menor, no céu da boca, garganta, esôfago e nariz; suas concentrações variam de indivíduo para indivíduo.

O talento da língua para notar sabores se altera com a idade, sabe-se que as crianças tem um terço a mais de células gustativas na língua que os adultos.

Além do potencial gustativo, a língua tem alto potencial erótico, já que participa ativamente do beijo e do sexo oral.

Para apimentar nossas relações usufruímos das sensações que a língua produz ao tocar na pele, desse modo usamos e abusamos de cremes beijáveis e/ou comestíveis, que além de estimularem através dos aromas adocicados ou frescos surpreendem nosso cérebro com sensações eletrizantes, quentes, úmidas, doces ou refrescantes. Já provou?