DIU de cobre – vantagens e desvantagens

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (WHO, 1996), o DIU de cobre exerce seu efeito anti-fertilidade de forma variada e pode interferir no processo reprodutivo antes mesmo do óvulo atingir a cavidade uterina. A presença do DIU de cobre no útero promove reação inflamatória  tanto no útero como nas trompas. As alterações de pH no interior do útero interferem no transporte dos espermatozoides, dificultando a chegada deles nas trompas, onde ocorre a fecundação (união do óvulo e espermatozoide) .

Vantagens do DIU de cobre

  • É  prático e de longa duração (até 10 anos).
  • Depois de colocado, não depende da utilizadora (evita ter que tomar uma pílula todos os dias).
  • Não é método hormonal, por isso não tem efeitos colaterais no resto do corpo (não altera o humor, peso, desejo sexual nem o risco de ter câncer no futuro).
  • Não interfere no ato sexual.
  • Não interfere com a amamentação.
  • Pode ser utilizado por mulheres de qualquer idade.
  • A fertilidade retorna à normalidade depois da retirada do DIU.

Desvantagens do DIU de cobre

  • Menstruações mais longas , volumosas e dolorosas (em aproximadamente 15% das mulheres, principalmente nos primeiros meses após a inserção do DIU de cobre).
  • Risco, cerca de 2% das mulheres, de infecção do útero (infecção pélvica). O maior risco de infecção ocorre nos primeiros 20 dias depois da colocação.
  • Infecção bacteriana sexualmente transmissível em usuárias de DIU provocam sintomas mais intensos caracterizando doença inflamatória pélvica (deve ser tratada com antibióticos e em casos gravíssimos com cirurgia).
  • A  gravidez é rara entre as usuárias de DIU de cobre,  ocorre em 0,6% das usuárias, quando ocorre é ectópica (nas trompas) em 3% dos casos.
  • Em até 5% das mulheres o DIU de cobre pode ser expulso espontaneamente (mais frequente nos 3 primeiros meses).
  • A introdução do DIU de cobre pode causar: dores ou contrações uterinas, principalmente nas mulheres que nunca tiveram filhos; pequeno sangramento após a colocação; desmaio e  perfuração do útero (em 0,1% das mulheres).

Contraindicações do DIU de cobre (NÃO DEVE SER UTILIZADO)

  • Gravidez
  • Infecção pós-parto
  • Após aborto infectado
  • Sangramento vaginal anormal
  • Câncer de colo uterino
  • Câncer de endométrio
  • Doença inflamatória pélvica atual ou nos últimos 3 meses
  • Doença sexualmente transmissível atual ou nos últimos 3 meses
  • Doença trofoblástica gestacional maligna (doença na placenta)
  • Alterações anatômicas que modifiquem a cavidade uterina (mioma, cicatrizes)
  • Tuberculose pélvica

Cuidado na inserção do DIU de cobre

  • Inserir durante ou logo após a menstruação (preferencialmente até o 5º dia do ciclo), pois evita a inserção em mulheres grávidas, além disso,  o colo uterino está dilatado o que promove uma inserção menos dolorosa. No entanto, pode ser inserido a qualquer momento se comprovado que mulher não está grávida.
  • Após o parto aguardar 6 semanas para  inserção
  • Pode ser inserido logo após um aborto não infectado.
  • A inserção de novo DIU de cobre pode ser realizada no mesmo dia da extração do DIU vencido.

Oriente-se com ginecologista sobre os métodos de planejamento familiar.