O que é ejaculação retardada?

Uma das mais desafiadoras disfunções sexuais masculinas é a ejaculação retardada. O homem que não consegue ejacular com prazer nem sozinho nem, mais tipicamente, com uma parceria se sente frustrado, ansioso e sexualmente incompetente.

A maioria dos homens com ejaculação retardada experimenta desejo sexual e ereção, mas não consegue ter orgasmo durante o intercurso sexual. Apesar de a ejaculação e o orgasmo em geral ocorrerem simultaneamente, trata-se de dois fenômenos separados.

A ejaculação retardada é a inibição involuntária no reflexo orgásmico masculino e pode ser vista como a versão masculina do transtorno orgásmico feminino. Também podendo ser descrita como a dissociação entre emissão (ejaculação propriamente dita) e orgasmo. Pode ser classificada como permanente ou primária (sempre aconteceu) ou adquirida ou secundária (geralmente tem um evento a partir do qual não há mais ejaculação com orgasmo).

No homem com ejaculação retardada, o fluxo erótico do desejo para a excitação sexual e daí para o orgasmo está inibido ou bloqueado.

A forma mais frequente de ejaculação retardada é no coito. O homem é capaz de alcançar um orgasmo por masturbação, assim como por estimulação manual ou oral da parceira, mas nem pela penetração propriamente dita. Algumas variações são encontradas:

  • homem com dificuldade em conseguir um orgasmo pela masturbação e estimulação não coital
  • homem que apenas conseguem orgasmo pela masturbação
  • homem que as vezes consegue ter orgasmo com intensa movimentação coital

Kaplan, em 1974 descreveu os graus de gravidade de atraso ejaculatório:

  • formas suaves: homem pode atingir o orgasmo intravaginal sob certas condições
  • formas moderadas: homem pode ejacular na presença de terceiros via outros métodos, exceto o intravaginal
  • formas graves: homem pode atingir o orgasmo apenas quando está sozinho
  • formas mais graves: homem nunca foi capaz de ejacular, nem sozinho, nem acompanhado

E para quem acredita que a ejaculação retardada tem vantagens porque o homem é capaz de um intercurso sexual mais prolongado engana-se pois além da extensa movimentação dentro da vagina se tornar enfadonha e pouco prazerosa, o ato sexual é ofuscado pela tentativa desesperada do homem alcançar o orgasmo, o que acaba com o prazer sexual já que a lubrificação vaginal diminui com o tempo e pode até desaparecer, provocando até dor.  Além disso, algumas mulheres se sentem responsáveis pela falta de prazer do parceiro se sentindo desnecessária, insuficiente ou até rejeitada.

Os homens com ejaculação retardada geralmente relatam infelicidade e preocupação, principalmente quando a ejaculação retardada os acompanha desde os primeiros encontros sexuais.

Felizmente a ejaculação retardada é a menso comum das disfunções sexuais masculinas o percentual de homens com sintomas de orgasmo inibido fica entre 3 a 9%, no entanto é necessário fazer diagnóstico diferencial com problemas de ereção.

Há várias teorias psicológicas quanto a causa da ejaculação retardada, no entanto, o número de pacientes é limitado para avaliações confiáveis quanto às causas do problema. Dentre as teorias que tentam explicar a ejaculação retardada temos:

  • percepção bloqueada das emoções: seu relacionamento com a sexualidade é marcado pelo distanciamento que reflete a percepção bloqueada do mundo interno de pensamentos e emoções.
  • Inibição ou ausência de um mundo erótico: a perda do mundo erótico além da pressão para desempenhar e do medo do fracasso, é o problema mais significativo da sexualidade masculina. A maioria das pessoa vive uma vida dividida e experimenta um mundo do dia a dia e o mundo erótico como duas esferas nitidamente separadas, no entanto, os dois mundos podem e devem ser misturados.

Algumas suposições correlacionam a ejaculação retardada com experiências negativa como gravidez não desejada, experiências sexuais traumáticas ou doenças sexualmente transmissíveis, além de estimulação sexual deficiente, inibição de pedidos envolvendo as próprias vontades e necessidades, medo de ser pego, atitudes e expectativas distorcidas ou déficits de aprendizagem.

O caminho final das teorias psicológicas é o medo irracional de ejacular dentro da vagina, os conflitos que geram isso podem ser assim divididos:

  • medo do incesto: o desenvolvimento psicossexual não resolveu o complexo edipiano, assim, em nível inconsciente, cada intercurso sexual é uma situação incestuosa cheia de proibição e medo.
  • medo da castração: relacionado ao medo do incesto, além de ser consequência do medo do pênis ser ferido ou danificado dentro da vagina, e ser entendido de modo mais amplo como medo do fracasso.
  • medo de ferir a mulher: interpretado como defesa contra o medo da castração.
  • medo da perda do controle: medo de relaxar, ter a consciência alterada, perder o controle, além da vergonha quando houve uma criação sexual restritiva e conflito sobre o esteriótipo do homem não demonstrar emoção.
  • hostilidade e raiva: sentimentos de hostilidade, raiva e ódio em relação às mulheres derivado de conflitos não resolvidos, podendo estar escondidos detrás de comportamentos cuidadosos e gentis em relação às mulheres.
  • medo da perda do esperma: a ejaculação sendo considerada uma perda de vitalidade.
  • impulsos parafílicos: fixação em certos estímulos sexuais parafílicos (pervertidos).

Perelman (1994) sugere que a alta frequência masturbatória e técnicas específicas de masturbação (ejacular apenas em resposta a um toque particular, geralmente muito vigoroso) estão entre as causas de ejaculação retardada.  Apfelbaum (2000) sustenta que a ejaculação retardada é um problema específico de excitação e desejo, mascarado por uma disfunção de orgasmo; esse autor considera que esses homens não são capazes de ser egoístas o suficiente, que não conseguem cuidar das próprias necessidades e desejos e que não são capazes de lutar pela própria satisfação; vivendo para satisfazer e agradar suas parceiras através do autocontrole e cumprimento de suas obrigações.

Alguns medicações podem ser causa da ejaculação retardada adquirida, entre elas: inibidores seletivos da recaptação de serotonina, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, simpaticolíticos com ação alfa, bem como álcool. Além disso, um atraso moderado da ejaculação ocorre com o envelhecimento.

Deficiência androgênica, ferimentos espinhais traumáticos ou cirúrgicos com danos nos gânglios lombares e doenças neurodegenerativas podem causar atraso ou falha na ejaculação.