Publicado em

Por que e como ocorre a Andropausa ( Deficiência androgênica no envelhecimento masculino)?

A testosterona é o principal andrógeno circulante, produzido e secretado principalmente pelas células de Leydig do testículo a partir de uma molécula de colesterol. A liberação diária de testosterona testicular é de 10 mg (miligramas), que vão se juntar a aproximadamente 500 μg (microgramas) de testosterona produzidos pelas glândulas adrenais e a conversão periférica (metabolização na gordura corporal) de androstenediona em testosterona. Continuar lendo Por que e como ocorre a Andropausa ( Deficiência androgênica no envelhecimento masculino)?

Publicado em

QUAL SUA ORIENTAÇÃO SEXUAL – Parte III – Atração pelo sexo oposto?

Investigando agora, a atração sexual por pessoa do sexo oposto, 89,8% (574) referem sentir atração por pessoa do sexo oposto, enquanto 10,2% (65) não sentem atração por pessoa do sexo oposto. GRÁFICO 20

Gráfico 20. Você se sente atraído sexualmente por pessoas do sexo oposto?

Do mesmo modo que anteriormente, questionando-se sobre a intensidade dessa atração sexual por pessoa do sexo oposto, 80,6% (515) dos pesquisados relataram forte atração, 12,85% (82) leve a moderada atração e 6,6% (42) relataram que nunca tiveram tal atração. GRÁFICO 21

Gráfico 21. Qual a intensidade de atração sexual por pessoas do sexo oposto?

Perguntando sobre sonhos eróticos com pessoa do sexo oposto, 93,3% (596) relataram que já sonharam com encontro sexual com pessoa do sexo oposto, enquanto 6,7% (43) nunca sonharam com tal encontro sexual. GRÁFICO 22

Gráfico 22. Você já sonhou com encontro sexual com pessoa do sexo oposto?

 

Assim como avaliado com o mesmo sexo, perguntou-se se o pesquisado já havia fantasiado com uma relação sexual com pessoa do sexo oposto, 92,6% (592) já fantasiaram esse tipo de relação sexual, e 7,4% (47) nunca fantasiaram relação sexual com sexo oposto. GRÁGICO 23

 Gráfico 23. Você já fantasiou com uma relação sexual com uma pessoa do sexo oposto?

Sobre excitação sexual propriamente dita, sob estímulo visual, auditivo, virtual ou pessoalmente de relação sexual heterossexual, 83,4% (533) já ficaram excitados com o esse tipo de estímulo, enquanto 16,6% (106) não ficaram excitados com isso. GRÁFICO 24

Gráfico 24. Você já ficou sexualmente excitado ao ser exposto (fofoca, fotos, vídeos, pessoalmente) a relação sexual entre uma pessoa do seu gênero e outra do sexo oposto?

 

Sobre contato sexual com pessoa do sexo oposto, 96,6% (617) dos pesquisados relataram que sim, já tiveram e 3,4% (22) não tiveram tal contado sexual. GRÁFICO 25

Gráfico 25. Você já teve, voluntariamente, contato sexual (beijar, acariciar) com pessoa do sexo oposto?

 

Quando questionados se teriam relação sexual com pessoa do sexo oposto, 90,3% (577) responderam que sim, 3,8% (24) responderam que talvez tivessem, 5,9% (38) não teriam relação sexual com pessoa do sexo oposto. GRÁFICO 26

Gráfico 26. Você teria relação sexual com uma pessoa do sexo oposto?

Sobre a frequência que fantasiavam ou sonhavam com sexo com pessoa do sexo oposto, 60,4% (386) dos pesquisados relataram ter frequentemente tais sonhos ou fantasias, 34,3% (219) responderam que tem tais sonhos e fantasias raramente ou ocasionalmente e 5,3% (34) relatam que não tem tal tipo de sonho ou fantasia. GRÁFICO 27

 Gráfico 27. Com que frequência você tem fantasias ou sonhos com sexo com pessoa do sexo oposto?

Verificando qual a frequência que os pesquisados tem relação sexual com pessoa do sexo oposto, 72,6% (464) referem ter relações sexuais com o sexo oposto frequentemente, 17,8% (114), raramente ou ocasionalmente; e 9,5% (61), nunca tiveram. GRÁFICO 28

Gráfico 28. Com que frequência você tem relação sexual com pessoas do sexo oposto ao seu?

Avaliando sobre o bem estar e tolerância emocional dos pesquisados frente ao sexo da outra pessoa, 36,5% (233) relataram que se sentem melhor emocionalmente com ambos os sexos, igualmente; 31,6% (202) referem que se sentem melhor emocionalmente exclusivamente com pessoas do sexo oposto ao seu; 23,6% (151) relatam que se sentem melhor emocionalmente principalmente com pessoas do sexo oposto ao seu; 5,3% (34) relatam que se sentem melhor emocionalmente principalmente com pessoas do mesmo sexo que o seu; e 3% (19) relatam que se sentem melhor emocionalmente exclusivamente com pessoas do mesmo sexo que o seu. GRÁFICO 29

 Gráfico 29. Com quem você se sente melhor ou mais próximo emocionalmente?

Analisando a socialização relacionada com o gênero, 76,8% (491) dos pesquisados relataram que socializa com ambos os gêneros igualmente; 8,8% (56) referem que socializam principalmente com pessoas do mesmo gênero que o seu; 6,6% (42) socializam principalmente com pessoas do gênero diferente do seu; 5,2% (33) socializam exclusivamente com pessoas com gênero diferente do seu; e 2,7% (17) socializam exclusivamente com pessoas do mesmo gênero que o seu. GRÁFICO 30

Gráfico 30. Com que gênero você se socializa?

AFINAL, ONDE ESTÁ O PROBLEMA?

 

Quando perguntados sobre atração sexual pelo sexo oposto, sabendo que, 81,1% auto identificam-se como heterossexuais e 11% como bissexuais, esperaríamos que 92,1% respondessem que sentem atração sexual pelo sexo oposto, mas na verdade, 89,8% referiram que sentem tal atração; logo, 2,3% dos pesquisados auto identificam-se como heterossexuais ou bissexuais, mas na verdade, predomina a atração pelo mesmo sexo.

No entanto, quando perguntados sobre a intensidade, responderam que sentem atração pelo sexo oposto, mesmo que leve a moderada, 93,4% dos pesquisados. Então, também há uma parcela dos que se auto identificam como homossexuais que sente atração pelo sexo oposto.

Além disso, quando falamos de sonhos eróticos e fantasias eróticas com pessoas do sexo oposto, confirmamos que 93,3% e 92,6% dos pesquisados, respectivamente, tem tais pensamentos “heteroeróticos. Assim, ao menos 0,5% dos que se auto identificam como homossexuais, tem fantasias heterossexuais e 1,2% dos homossexuais já teve sonhos “heterossexuais”.

Quando perguntados sobre contato sexual com o sexo oposto, observamos que 96,6% relataram que sim, já tiveram tal contato, pensando que 81,1% referiram heterossexualidade e 11% bissexualidade, esperaríamos que 92,1% no mínimo relatassem que já haviam tido contato sexual com o sexo oposto, o que notamos foi que 96,6% referiram tal contato, ou seja, 4,5% dos pesquisados que se identificaram na homossexualidade já tiveram contato sexual com pessoa do sexo oposto.

Ao questionar sobre a possibilidade (disposição) de ter uma relação sexual com sexo oposto, 90,3% referiram que sim, teriam tal tipo de encontro sexual, novamente nos deparamos com a possibilidade de vida sexual não iniciada, ou até mesmo uma percepção de bissexualidade, mas sem uma prática bissexual em si.

Assim como a grande maioria dos pesquisados sentiram atração sexual sob estímulo visual ou auditivo, direto ou virtual/mental com relação sexual homossexual, o mesmo ocorreu com a relação heterossexual; sugere-se que esse fato esteja ligado a relação sexual como ato e não com relação aos sujeitos executantes do ato.

Quando tentamos quantificar a frequência de pensamentos eróticos com o sexo oposto, para de alguma forma confrontar as respostas anteriores, confirmamos que, mesmo raramente ou ocasionalmente, 94,7% dos pesquisados já tiveram sonhos ou fantasias sexuais com o sexo oposto.

Assim como a sonhos e fantasias, verificando a frequência de relação sexual com o sexo oposto 90,4% dos pesquisados relatam ter relação sexual com sexo oposto mesmo que raramente ou frequentemente, quando o esperado seria 92,1%, tal fato pode estar relacionado com a não iniciação sexual e a percepção bissexual sem prática de relação sexual com o sexo oposto até o momento da pesquisa.

Quando perguntamos sobre o bem-estar emocional relacionado ao sexo, percebemos que não há predomínio significante de um em relação ao outro, visto que vários fatores estão relacionados ao bem-estar emocional, e o sexo é apenas mais uma dentre tantas outras características que levamos em consideração quando fazemos amizade ou nos relacionamos afetivamente com outra pessoa.

Ao investigarmos sobre possíveis intolerâncias ou descriminações em relação ao gênero, mais de três quartos dos pesquisados relacionam-se socialmente com ambos os gêneros igualmente e a minoria tem uma preferência em relação a gênero, o que leva a pensar, que socialmente assim como emocionalmente, as questões de sexo e gênero não são as mais relevantes para se iniciar ou manter um relacionamento; pelo menos para a maioria dos pesquisados.

 

O QUE APRENDI?

 

Ser ou estar, é essa a questão, talvez, se retirarmos os rótulos e seguirmos nossos instintos sexuais poderemos dizer que em determinado momento se está heterossexual e em outro homossexual. Percebemos que o rótulo de orientação sexual não impede que tenhamos sonhos, fantasias e até contato íntimo como beijos e carícias com pessoas do mesmo sexo e no caso dos autos identificados homossexuais, do sexo oposto.

Assim como os relacionamentos emocional e social, não seria a orientação sexual determinado por uma infinidade de motivos, e dentre eles o sexo biológico e o gênero a qual a pessoa se identifica?

Então, se uma mulher que se identifica como gênero feminino e heterossexual, conhece uma pessoa identificada no gênero masculino, heterossexual, mas com sexo biológico feminino, tem uma relação sexual, está errado dizer que são heterossexuais? E a questão de ambas terem órgão genital feminino as colocaria no grupo dos homossexuais?

Ao longo da história o sexo não relacionado com a procriação, proliferação da espécie, foi sendo estigmatizado, patologizado e agora discriminado e rotulado. Impossível negar que há desejo, atração, excitação sexual, consciente ou inconsciente, pelo mesmo sexo e pelo sexo oposto, se não da maioria, de pelo menos 50% dos seres humanos.

Essa pesquisa não se encerra no seu fim, ao contrário, é o começo e o contínuo de uma discussão maior, que vem da pré-história e nos causa dúvida até hoje; nossa sexualidade é multifatorial e se comporta de maneira diferente em diferentes situações. O conceito de bissexualidade está além de um rótulo, talvez percebamos com o avançar dessa e de novas pesquisas, que a bissexualidade é um estilo de vivência da sexualidade, uma sexualidade mais flexível e voltada ao prazer.

Fonte: Minotto FN. Bissexualidade: uma manifestação fisiológica do ser humano? [monografia]. Rio de Janeiro: Faculdade UnYLeYa; 2018. 76p

Publicado em

QUAL SUA ORIENTAÇÃO SEXUAL – Parte II – Atração pelo mesmo sexo?

Questionando-se sobre atração sexual por pessoa do mesmo sexo, 56,8% (363) dos pesquisados responderam que nunca se sentiu atraído sexualmente por pessoa do mesmo sexo, enquanto 43,2% (276) responderam que já sentiram atração sexual por pessoa do mesmo sexo.  GRÁFICO 11 Continuar lendo QUAL SUA ORIENTAÇÃO SEXUAL – Parte II – Atração pelo mesmo sexo?

Publicado em

QUAL SUA ORIENTAÇÃO SEXUAL – Parte I? Resultados da pesquisa Antropológica

Até o momento foram  respondidos 639 questionários, os dados sociodemográficos são representados nos gráficos a seguir. Em relação à escolaridade, a maioria, 28,8% (184) tem ensino superior completo; 27,7% (177) referem ter o ensino superior incompleto, 23,2% (148) cursaram pós graduação/MBA; 11,6% (74) tem ensino médio completo, 2,3% (15), ensino técnico, 1,4% (9), ensino médio incompleto; 0,6% (4) ensino fundamental e 0,5% (3) Doutorado. GRAFICO 1 Continuar lendo QUAL SUA ORIENTAÇÃO SEXUAL – Parte I? Resultados da pesquisa Antropológica

Publicado em

Por que homens tem ereção dormindo?

Até os anos 50 do século XX, a maioria das pessoas imaginava que o sono fosse uma parte passiva ou inativa das nossas vidas diárias. Hoje, sabemos que o nosso cérebro mantém-se muito ativo enquanto dormimos. Além disso, o sono afeta o nosso desempenho diário e a nossa saúde física e mental de muitas formas, mas estamos apenas começando a entender como isso ocorre de fato. Continuar lendo Por que homens tem ereção dormindo?

Publicado em

Vaginismo causa dor na penetração

O vaginismo é descrito como um espasmo muscular do terço exterior da vagina, provocando penetração dolorosa ou impossível. Estima-se que 1 a 7% das mulheres apresentam vaginismo. A dificuldade em distinguir entre vaginismo e dispareunia (dor durante a relação sexual) levou ao argumento de que eles são a mesma coisa. Continuar lendo Vaginismo causa dor na penetração

Publicado em

Relação sexual dolorosa é normal?

“Sinto dor na relação sexual, o que fazer para melhorar e satisfazer o parceiro?”

É notório que apenas os masoquistas conseguem associar prazer e dor, e se você não é masoquista associar prazer e dor é difícil e desumano.

Dor na relação sexual pode ter várias causas, entre elas podemos citar infecções vaginais ou infecções pélvicas – que envolvem o útero, as trompas, e a bexiga. Continuar lendo Relação sexual dolorosa é normal?

Publicado em

Bissexualidade como manifestação original do ser humano

Partindo do princípio de que a sexualidade é formada pelos aspectos biológicos, psicológicos, pela identidade sexual, pelo papel sócio sexual e pela orientação sexual; além das formas de vida social e seus atuais costumes, este artigo analisa as bases biológicas e psicológicas da bissexualidade, entendendo que há uma pluralidade na sexualidade humana e uma expressão na sociedade contemporânea que sofre constantes modificações. Continuar lendo Bissexualidade como manifestação original do ser humano

Publicado em

Existe cura gay?

Em 1886, o sexólogo Richard von Krafft-Ebing listou a homossexualidade e outros 200 estudos de casos de práticas sexuais em sua obra Psychopathia Sexualis. Essa obra conta com 238 casos de “sexualidades desviantes”, sendo, dentre esses, 22 casos intitulados como “homossexualidade”. Krafft-Ebing propôs que a homossexualidade era causada por uma “inversão congênita” que ocorria durante o nascimento ou era adquirida pelo indivíduo. Continuar lendo Existe cura gay?

Publicado em

O que é ejaculação retardada?

Uma das mais desafiadoras disfunções sexuais masculinas é a ejaculação retardada. O homem que não consegue ejacular com prazer nem sozinho nem, mais tipicamente, com uma parceria se sente frustrado, ansioso e sexualmente incompetente. Continuar lendo O que é ejaculação retardada?

Publicado em

O que o Kama Sutra ensina!? Dos abraços, beijos, beliscões e mordidas.

Abraços, beijos, beliscões e mordidas

 

Segundo a versão original do Kama Sutra, os homens que geralmente têm sucesso com as mulheres são:

  • Os versados na ciência do amor
  • Os que sabem contar histórias
  • Os familiarizados com mulheres desde a infância
  • Os que  conquistaram sua confiança
  • Os que mandam presentes
  • Os que falam bem
  • Os que satisfazem suas vontades
  • Os que não amaram outras mulheres
  • Os que servem de intermediários
  • Os que conhecem seus pontos fracos
  • Os que são desejados pelas mulheres de bem
  • Os relacionados com suas amigas
  • Os que tem boa aparência
  • Os que foram criados com elas
  • Os vizinhos
  • Os amantes das filhas de sua ama (babá)
  • Os recém-casados
  • Os que gostam de piqueniques e de festas
  • Os liberais
  • Os célebres pela sua força
  • Os empreendedores e corajosos
  • Os que se vestem bem e vivem no luxo

O Kama Sutra foi escrito para benefício do mundo, segundo os preceitos da Sagrada Escritura, por Vatsyayana quando estudante da religião e inteiramente entregue à contemplação da Divindade. Kama pode ser traduzido como ciência do amor ou a vida dos sentidos. Na antiga literatura de pensamento em sânscrito, desenvolveu-se uma forma conhecida como sutras – ou expressões concisas com um mínimo de palavras.

Descrevendo os tipos de união sexual segundo as dimensões, força do desejo ou paixão e o tempo, o Kama Sutra divide os homens em 3 classes, segundo o tamanho da sua “linga”; homem lebre, touro e cavalo.  Também divide as mulheres conforme a profundidade do seu “iôni”, em corça, égua e elefanta.

Conforme essa divisão de tamanhos seriam 3 uniões iguais, com os tamanhos correspondentes: homem lebre com mulher corça, homem touro com mulher égua e homem cavalo com mulher elefanta. Nas uniões desiguais, o homem pode exceder a mulher ou a mulher exceder o homem em tamanho, entre todas as uniões possíveis, as uniões iguais são as melhores.

Conforme a força da paixão ou do desejo carnal existem os homens pequenos, medianos e intenso e as mulheres pequenas, medianas e intensas.

O homem é de pequena paixão quando seu desejo no momento da união sexual não é ardente, o seu esperma é pouco abundante e não suporta os apaixonados abraços da mulher.  Os homens de temperamento mais cálido, são homens de paixão mediana, e os dotados de grande ardor recebem o nome de homens de paixão intensa.  Da mesma forma são classificadas as mulheres quanto a intensidade da paixão.

Quanto ao tempo consumido na união sexual também homens e mulheres são subdivididos em : os que precisam pouco tempo, os que consomem um tempo moderado e os que prolongam a união por muito tempo.

O Kama Sutra também descreve os diferentes tipo de amor; sendo considerados 4 tipos de amor:

  • O provocado pelo hábito (o amor adquirido pela prática e hábito constantes – amor da relação sexual, da bebida, do jogo, da caça)
  • O resultante da imaginação (amor que vem totalmente das idéias, amor sentido pelos abraços, beijos)
  • O que surge em consequência da fé (amor mútuo, quando cada um sente que o outro lhe pertence, amor resultante da confiança)
  • O que resulta da percepção dos objetos externos (é amor evidente e bem conhecido)

A parte do Kama Sutra que trata da união sexual é chamada de 64, alguns autores sugerem que esse apelido tenha sido dado devido a divisão em 64 capítulos; essa parte tem 8 temas: o abraço, o beijo, os arranhões com as unhas ou dedos, a mordida, as posições no leito, os diferentes sons, a inversão dos papéis e o congresso oral;tendo cada uma delas 8 tipos.

O abraço, manifestação de amor mútuo do homem e da mulher que se uniram tem 3 categorias: de contato, penetrante, de atrito e opressivo.

  • Abraço de contato: quando, sob qualquer pretexto, o homem se aproxima da mulher, de frente ou de lado, e lhe toca o corpo com seu próprio corpo.
  • Abraço penetrante (espetante): quando uma mulher se inclina e espeta com os seios o homem, que então deles se apodera.
  • Abraço de atrito: quando dois amantes andam juntos e seus corpos se esfregam um no outro.
  • Abraço opressivo: quando 2 amantes andando juntos, um deles pressiona vigorosamente contra uma parede ou pilastra o corpo do outro.

No momento da união sexual, outros tipos de abraço são usados:

  • Abraço entrelaçamento da trepadeira: quando a mulher, agarrando-se ao homem puxa na direção da sua a cabeça dele para beijá-lo.
  • Abraço subida da árvore: quando a mulher coloca um pé sobre o pé do amante e o outro sobre uma das coxas, passa um braço pelas costas e o outro pelos seus ombros, fazendo menção de subir por ele para beijá-lo.
  • Abraço mistura da semente de sésamo com arroz: quando os amantes estão na cama e se abraçam tão fortemente que seus braços e pernas se entrelaçam com os braços e pernas do outro, e se esfregam.
  • Abraço mistura de leite e água: quando o homem e a mulher se amam muito e sem pensar na dor ou sofrimento, abraçam-se como se estivessem penetrando nos respectivos corpos, seja com a mulher sentada no colo do homem ou a frente dele, ou na cama.

Sobre o beijo, o Kama Sutra ensina que os lugares adequados ao beijo são: a testa, os olhos, as faces, o pescoço, o peito, os seios, os lábios e o interior da boca. Também podendo ser beijados: as juntas das coxas, os braços e o umbigo. Nos casos de uma moça ainda jovem, seriam 3 beijos os possíveis: o beijo nominal, palpitante e o de toque.

  • Beijo nominal: quando a moça apenas toca a boca de seu amante com os lábios, sem mais nada fazer.
  • Beijo palpitante: quando a moça, deixando de lado a vergonha, quer tocar os lábios que lhe pressionam a boca e para isso movimenta o lábio inferior, mas não o superior.
  • Beijo de toque: quando a moça toca os lábios do amante com a língua, e com os olhos fechados, coloca suas mãos nas mãos do amante.

Além desses podem ser divididos os beijos em beijo direto, inclinado, voltado e pressionado e muito pressionado.

  • Beijo direto: quando os lábios dos dois amantes entram em contato.
  • Beijo inclinado: quando as cabeças dos dois amantes estão inclinadas uma para a outra.
  • Beijo voltado: quando um deles volta o rosto para o outro segurando-lhe a cabeça ou o queixo e então se beijam.
  • Beijo pressionado: quando o lábio inferior é pressionado com muita força
  • Beijo muito pressionado: o lábio inferior é agarrado entre dois dedos e em seguida, depois de tocar com a boca, um dos amantes o pressiona fortemente com o lábio.

Além disso há 4 espécies de beijo: o moderado, o contraído, o pressionado e o leve, dependendo das diferentes partes do corpo que são beijadas, sendo cada um adequado para uma área do corpo.

Segundo o Kama Sutra, quando o amor se torna intenso, os beliscões com a ajuda das unhas, ou os arranhões do corpo, são praticados nas seguintes ocasiões: na primeira visita; no momento de partir para uma viagem; de volta de uma viagem; no momento da reconciliação com um amante aborrecido; e, finalmente, quando a mulher está embriagada.

Beliscar usando as unhas, porém, só é comum entre os que estão intensamente apaixonados, ou seja, tomados de paixão. Os beliscões de que participam as unhas são de oito tipos, segundo as marcas que deixam:

  • Sondagem
  • Meia-lua: marca curva com as unhas feita nas mamas e pescoço.
  • Círculo: quando as meias-luas são feitas uma na frente da outra, feita geralmente no umbigo, nas cavidades embaixo das nádegas e nas juntas das coxas.
  • Linha: marca em forma de linha em qualquer lugar do corpo.
  • A unha ou garra de tigre: linha curva e feita sobre as mamas.
  • A pata do pavão: quando uma curva é feita com as cinco unhas na mama, como antigamente na Índia as mulheres andavam com seios a mostra, essa marca era feita para ser elogiada.
  • O salto da lebre: cinco marcas de unhas próximas umas as outras e junto ao mamilo .
  • A folha de lótus azul: marca no seio e nos quadris, na forma de folha de lótus azul.

Os lugares do corpo que devem ser beliscados com as unhas são: axilas, garganta, mamas, lábios, tronco e coxas; mas quando a impetuosidade da paixão é excessiva, não há consideração de lugar.

Quando, ao partir em viagem, o amante faz uma marca nas coxas ou nas mamas, ela é chamada de “sinal de lembrança”.

Um dos versículos do Kama Sutra que trata sobre as marcas de unha diz:

” O amor da mulher que vê as marcas de unhas nas partes íntimas de seu corpo, embora sejam antigas e quase invisíveis, reascende-se e renova-se. Se não houver marcas de unhas para lembrar os momentos de amor, então a paixão diminui, tal como acontece quando não há união por um longo período.”

Sobre mordidas, a orientação do Kama Sutra é que todas as partes do corpo que podem ser beijadas podem ser mordidas, com exceção do lábio superior, o interior da boca e os olhos. As diferentes formas de mordida são descritas como:

  • A mordida oculta: só se evidencia pela vermelhidão excessiva da pele mordida, realizada no lábio inferior.
  • A mordida inchada: quando a pele é comprimida de ambos os lados, realizada na face esquerda.
  • O ponto: realizada no lábio inferior.
  • A linha de pontos: quando uma pequena porção de pele é mordida por todos os dentes, realizada no lábio inferior, na garganta, axilas e nas articulações da coxa.
  • O coral e a joias: a mordida conjunta de dentes e lábios, os lábios são o coral e os dentes as joias, realizada na face esquerda.
  • A linha de joias: quando a mordida é feita com todos os dentes, realizada na garganta, nas axilas e nas articulações da coxa.
  • A nuvem quebrada: consiste em um círculo de protuberâncias desiguais, resultante do espaço entre os dentes, feita nas mamas.
  • Dentada de javali: muitas linhas largas de marcas próximas com intervalos vermelhos

Uma outra passagem interessante do Kama Sutra diz: “…..Assim, se o homem e a mulher agirem de acordo com o gosto de ambos, o seu amor não diminuirá, nem mesmo ao fim de cem anos.”

Fonte: VATSYAYANA, M. Kama Sutra: segundo a versão clássica de Richard Burton e F.F. Arbuthnot. Tradução: Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998, 209p.

Publicado em

O que é Transtorno de excitação genital persistente?

O problema foi descrito em 2001, mas em 2003,  um grupo de especialistas definiram o transtorno como “excitação genital espontânea, intrusiva e indesejada na ausência de interesse ou desejo sexual. Qualquer consciência de excitação subjetiva é tipicamente desagradável. A excitação não é aliviada por um ou mais orgasmos e as sensações de excitação persistem por horas ou dias”. Continuar lendo O que é Transtorno de excitação genital persistente?